A invasão das marmitas no mercado alimentício

Na correria do dia – a dia, mal sobra tempo para fazer as refeições com calma. É sempre um fast food, comidas cheias de conservantes… Além de não ser nada saudável, não tem aquele gostinho de comida caseira.

A invasão das marmitas no mercado alimentício

Esse cenário tem mudado de uns tempos para cá.

Para atender as necessidades de um consumidor exigente e com pouco tempo, surgiram as marmitas congeladas. Práticas, saudável e saborosa, elas são tudo o que procuramos em uma refeição.
Há infinitas opções no mercado. Marmitas gourmet, fitness e até papinha para bebê. Com descontos para pacotes mensais, entrega grátis, cartão fidelidade… Enfim, cada um com seu diferencial competitivo.
E por falar em diferencial, não podemos deixar de citar as embalagens.

Lembra quando a embalagem era de alumínio? Não dava para ver o alimento que estava comprando, tinha que sujar pratos para aquecer no forno micro-ondas e há quem diga, que deixava um gostinho de alumínio nada agradável.

Hoje o mercado disponibiliza embalagens práticas, com tampa de filme transparente, que permite visualizar o alimento, e até colocar etiquetas com seu logo ou informações sobre calorias. Algumas embalagens podem sair do freezer e ir direto ao forno ou micro-ondas.
Para o consumidor é só vantagens. Ingrediente de qualidade, alimentação controlada, diversificada e econômica. Tudo isso no conforto da sua casa.

E para o empreendedor, será que esse mercado vale mesmo a pena?
De acordo com dados do IBGE, o empreendedorismo informal de comida, cresceu seis vezes nos últimos quatro anos. Em 2015, o mercado de marmitas contava com 79.261 empreendedores. Em novembro de 2018 já estava na marca de 485.389.

Segundo o SEBRAE. O setor movimenta US$ 35 bilhões por ano no Brasil, que é o quarto maior mercado do mundo.
Ainda no site do Sebrae, você encontra informações para iniciar seu negócio. Como, abertura de MEI, plano de carreira e formas atrativa de vendas.

E então, animados para começar seu negócio no mercado das marmitinhas ?

Fontes: Sebrae, IBGE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima